Manutenção e Limpeza de fossa para Condomínios

By
1574
Manutenção e Limpeza de fossa para Condomínios

Hoje você vai entender como esse procedimento funciona. Trata-se de um trabalho simples, mas que exige ajuda de profissionais. Fique conosco para saber os detalhes.

Por que realizar a limpeza de fossa no condomínio

A fossa séptica é um equipamento presente em muitos condomínios comerciais e residenciais. Ela atua como um sistema primário de tratamento de esgoto.

Funciona assim: o material proveniente dos banheiros passa pela tubulação até chegar a esse recipiente. Então, ocorre a decantação, que é a separação dos sólidos e dos líquidos. Há ainda a presença de bactérias anaeróbicas que fazem a digestão do conteúdo.

Ao fim do processo, os dejetos podem ser liberados na rede de esgoto, pois a quantidade de poluentes diminuiu bastante. Assim, os efluentes chegam à natureza sem causar tanto impacto ao meio ambiente.

Porém, vale lembrar que o reservatório tem capacidade limitada. À medida que o tempo passa, mais e mais matéria orgânica fica depositada ali. Logo, é necessário recorrer ao esgotamento, também conhecido como limpeza de fossa ou “limpa fossa”. A medida evita consequências bem desagradáveis para os condôminos.

3 riscos evitados pela limpeza de fossa séptica

Talvez a ideia de manter restos orgânicos em decomposição na sua residência não pareça das melhores, né? Afinal, fezes e urina estão associados a tudo de ruim na sociedade, como sujeira, doenças e pragas urbanas.

Calma! A decantação de efluentes na fossa é um sistema bastante seguro para sua família e seus vizinhos. Contudo, a falta de manutenção do equipamento pode, sim, ocasionar alguns transtornos. A saber:

1. Mau cheiro

Quem mora em apartamento às vezes se incomoda com o cheiro do ralo. Os odores desagradáveis exalam de maneira mais intensa nos dias de chuva ou de muito calor. Eles são resultado dos vapores emanados no processo de decantação – e tornam-se mais fortes quando a fossa séptica chega ao limite de armazenamento.

Matemática básica: quanto mais dejetos acumulados, maior tende a ser o fedor.

2. Entupimento

A falta de limpeza do reservatório também leva a uma sobrecarga no sistema de esgoto do condomínio. Pode haver entupimento nos canos, já que os efluentes não escoam corretamente. E sempre existe o risco de o vaso sanitário “devolver” o material após a descarga.

Ninguém merece um banheiro alagado, ainda mais com água de privada. Que nojo!

3. Proliferação de pragas

O conteúdo da fossa séptica parece asqueroso para os seres humanos, mas não dá para dizer o mesmo das baratas. Algumas espécies vivem nos canos e se alimentam, justamente, de fezes.

Ou seja: ter um local cheio de rejeitos é o mesmo que oferecer um banquete para os insetos. As pragas ficam nutridas e conseguem se proliferar rapidamente.

Vale ressaltar que toda infestação por baratas deve ser combatida. Elas carregam fungos e bactérias consigo, então são capazes de espalhar diversos parasitas causadores de doenças. Essa é uma ameaça à saúde dos moradores!

O esgotamento de fossa reduz a quantidade de alimento disponível. Dessa forma, funciona como uma ação essencial para o controle de pragas urbanas.

Como é realizado o esgotamento de fossa no condomínio

O serviço de esgotamento de fossa é licenciado por órgãos reguladores. Sendo assim, somente empresas autorizadas podem fazer a limpeza, o transporte e o descarte de efluentes.

As autoridades que regulamentam a atividade no Rio Grande do Sul são a Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (Fepam), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).

Fica a dica! Ao contratar uma equipe de limpa fossa, verifique se os documentos de autorização estão em ordem. Eles são a garantia de uma operação segura para as pessoas e o meio ambiente.

Precauções tomadas, vem a parte prática. Primeiro, é feita a sucção do material orgânico com uma bomba de auto vácuo. Os dejetos saem da fossa diretamente para um caminhão vedado, por meio de um tubo.

Como não há manipulação direta dos efluentes, tampouco há risco de contaminação. Esse é um trabalho limpo e sem odores.

Depois do esgotamento da fossa no condomínio, vale a pena realizar a limpeza de toda a tubulação. Entra em cena o hidrojateamento, um jato d’água em alta pressão para remover incrustações internas dos canos.

Esse procedimento é recomendado principalmente em situações de entupimento grave. Ele limpa e desobstrui as superfícies sem utilizar produtos químicos, tornando-se um método rápido, econômico e inofensivo para as estruturas internas do prédio. Em contrapartida, o uso de abrasivos poderia danificar o encanamento, além de poluir a natureza.

Agora falta detalhar o descarte dos efluentes. Como você já deve suspeitar, esse material tem que chegar a um destino seguro, senão contamina o solo e o lençol freático.

A empresa responsável pelo esgotamento da fossa no condomínio precisa encaminhar a matéria orgânica a um local autorizado. Ela usa um veículo especialmente designado para transportar substâncias infectantes, conforme classificação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Finalmente, chega a uma estação de tratamento de esgoto ou outro terreno preparado para receber o conteúdo em questão.